terça-feira

Chique é ter...


Um móvel reformado.

Olá gente chique e gente bacana interessada em ser gentil com o planeta, quero dividir com vocês tudo que aprendi até hoje em termos de restauração e criação de vários produtos que existem à nossa volta, porque reaproveitar é chique está na moda e é prazeroso. Comigo:
Um assunto que me interessa particularmente é restauração de móveis, por dois motivos: primeiro porque se o móvel é de fato antigo, a madeira deve ser preservada por ser de qualidade e ter valor histórico ou emocional, segundo se o móvel é novo, pode ser dado uma cara toda personalizada e deixar com o jeitão da sua casa. O tratamento dado a um e ao outro é diferente, veremos o primeiro caso:
Quando o móvel é de madeira maciça e está em boas condições não deve ser descaracterizado, manter sua originalidade é a melhor maneira de trazer de volta a beleza. Usando um solvente em um tecido ou estopa vá limpando  toda a peça, na maioria das vezes nem é preciso lixar mas se tiver restos de verniz lixe bem e aplique um selador para madeira, se for aplicar verniz, prefira o fosco ou acetinado que é mais fácil aplicar com trincha (pincel largo), que deve ser bem macia. Se preferir passe cera em pasta e não use o verniz.
Bom mas, como muitas vezes não temos o velho móvel de família e sim aquele moderno porém já meio “surradão” o jeito é dar a ele uma cara personalizada, um toque de arte, mesmo que seja do tipo 2ª linha pode-se fazer milagres não duvide, eu posso provar e mostro nas fotos que fiz de alguns na minha casa. Comprei uma mesa e cadeiras nos móveis usados, mas em bom estado e fiz uma pátina branca envelhecida, troquei o forro do assento (é muito fácil fazer em casa com apenas um grampeador para madeira) e fiquei feliz com o resultado.
  E a natureza agradece!
Para fazer a pátina envelhecida nos móveis em MDF, fórmica, aglomerado e compensado a técnica é um pouco diferente dos móveis de madeira, no caso dos laminados teremos que preparar a peça muito bem antes para que não reaja com pinturas anteriores e não solte a tinta depois de pintado, também não deve ser muito lixado para não danificar a peça, cada caso um caso e vou ensinar todos aqui, estilo provençal, mineiro, decapê e muitos outros, por isso: até a próxima “comigo”.

4 comentários:

  1. Maravilhoso! Fiquei impressionado como vc torna simples coisas que a princípio parecem tão complexas. Parabéns pela ideia do blog e pelo texto tão bem feito.
    Rodrigo Carvalho

    ResponderExcluir
  2. Leonor, ótimo argumento do chique é. Você tem toda a razão, saber transformar as peças dando vida nova é somente para pessoas com almas muito elegantes. Parabéns pelo blog e obrigada pelo selo em seu espaço.

    Beijos,

    Cris Turek

    ResponderExcluir
  3. Leonor, vc é mesmo uma artista. Parabéns pelo blog.
    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Priscila,

    Sempre que escrevo é com muito carinho e fico feliz em saber que gostou!
    Um beijo!

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário!